Atualizado semanalmente

Pesquisa

Pesquisa
Anuncie: 2977-6544. O mais eficiente veículo de divulgação. Distribuído e lido em 88 bairros da Zona Norte para um público de 500 mil leitores com circulação às sextas-feiras. Distribuição gratuita em bancas, prédios comerciais e residenciais, condomínios, clubes, imobiliárias, padarias e shoppings. 55 anos de tradição.
 
Prorrogadas as campanhas de vacinação contra a gripe e febre amarela
 
Foto: Divulgação
Vacinação contra a gripe segue até dia 15/6
e contra febre amarela até dia 30/6



A Campanha de Vacinação contra a Gripe foi prorrogada até o dia 15 de junho pelo Ministério da Saúde, por conta da greve dos caminhoneiros na semana passada. A campanha de vacinação 2018 começou no dia 23 de abril e o encerramento foi alterado para o dia 15 de junho, mas a adesão está abaixo do que a Secretaria da Saúde esperava. Desde a abertura da campanha, foram aplicadas 1,6 milhão de doses, totalizando cobertura geral de 51,2% dos grupos elegíveis. A meta é chegar a 90% de cobertura. A baixa adesão também levou a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo prorrogar a vacinação contra a febre amarela até dia 30/6.

A baixa adesão levou à prorrogação das campanhas de vacinação contra a gripe até o próximo dia 15 e febre amarela até dia 30 de junho. No caso da vacina contra a gripe, o grupo prioritário com menor adesão foi o das crianças entre seis meses a cinco anos. Até o dia 23 de maio foram aplicadas 196 mil doses em crianças desta faixa etária, o que retrata 29,1% de crianças vacinadas. As crianças são mais suscetíveis a doenças respiratórias comuns e nos meses em que as temperaturas são baixas os riscos são mais altos, por isso a baixa imunização infantil é preocupante. Além das crianças, a adesão também é baixa entre as grávidas, com 30,7% imunizadas até o momento. População indígena e pessoas com 60 anos ou mais possuem a maior cobertura, com 67,8% e 64,9%, respectivamente.

“A campanha acontece anualmente devido à duração da proteção ser de aproximadamente um ano, pois depende de alguns fatores como idade e do sistema imunológico de cada um, e também para a atualização da vacina de acordo com os vírus de maior circulação no território. O benefício da vacina é proteger das complicações que podem acontecer por consequência da gripe, como pneumonias, e evitar internações e, em casos mais graves, óbito”, esclarece a gerente do Programa Municipal de Imunizações da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Maria Lígia Nerger.

A vacina é trivalente e protege contra três subtipos do vírus da gripe: H1N1, H3N2 e Influenza B. A dose está disponível nos postos de saúde da capital, a meta da campanha nesse ano é de vacinar 2.395.236 pessoas. Além de crianças entre 6 meses e menores de 5 anos, outros grupos também integram o público-alvo da campanha: os profissionais de saúde, população com 60 anos de idade ou mais, população indígena, gestantes e puérperas (mulheres que estão no período de até 45 dias após o parto), professores, pessoas com doenças crônicas (asma, diabetes e entre outras) e outras comorbidades.

Para receber a dose, é preciso levar documento de identificação e, se possível, a carteira de vacinação e cartão SUS. Os profissionais de saúde e educação precisam apresentar holerite ou crachá de identificação. Portadores de doenças crônicas e outras comorbidades devem levar a receita da medicação que faz uso com data dos últimos seis meses.

Campanha de vacinação contra febre amarela será ampliada até 30 de junho

A campanha de vacinação contra a febre amarela começou em setembro de 2017, atingiu 56,1% da população da capital paulista. Devido à baixa adesão, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de São Paulo prorrogou a campanha para 30 de junho. Na capital paulista 6,5 milhões de pessoas foram vacinadas desde setembro do ano passado, o que representa 56,1% da população. A meta é atingir 95% dos moradores.
“Quando a campanha começou, no ano passado, nosso foco eram as regiões de mata com condições para a permanência dos mosquitos que transmitem a febre amarela. Tivemos uma boa cobertura nas regiões Norte e Sul, mas agora precisamos intensificar também nas outras áreas da cidade, já que há grande circulação de pessoas tanto dentro da capital como para outras cidades com a circulação do vírus”, informou o secretário municipal da Saúde, Wilson Pollara.

A campanha contra a febre amarela inicialmente priorizou os moradores da Zona Norte na capital e foi ampliada gradativamente, priorizando as áreas de maior vulnerabilidade. Desde março deste ano, foi estendida para todos os 96 distritos do município.

É importante lembrar que a vacina contra a febre amarela não é indicada para crianças menores de 9 meses de idade, gestantes, mulheres amamentando crianças com até 6 meses e pacientes com imunodepressão de qualquer natureza, como neoplasia (câncer), HIV, tratamento com drogas imunossupressoras (corticosteroides, quimioterapia, radioterapia, imunomoduladores) e pessoas submetidas a transplante de órgãos. Em caso de dúvida, é importante consultar a equipe de saúde da UBS ou seu médico antes de se vacinar.

A vacina está disponível em todas as unidades de saúde da cidade e, para receber a dose, é preciso levar documento de identificação e, se possível, carteira de vacinação e cartão SUS. Para saber qual a Unidade Básica de Saúde (UBS) de referência de seu endereço, basta consultar o Busca Saúde (http://buscasaude.prefeitura.sp.gov.br/).

 
Voltar

Veja a capa da edição:

Capa da Edição

Um bom jornal é você quem faz!

500 mil leitores

As melhores ofertas
estão nesta edição
classimoveis

Para anunciar ligue:
2977-6544 / 2950-7919



É proibida a reprodução ou cópia de fotos, matérias, anúncios ou páginas sem a devida autorização.

   2002-2018 ©.