Atualizado semanalmente

Pesquisa

Pesquisa
Anuncie: 2977-6544. O mais eficiente veículo de divulgação. Distribuído e lido em 88 bairros da Zona Norte para um público de 500 mil leitores com circulação às sextas-feiras. Distribuição gratuita em bancas, prédios comerciais e residenciais, condomínios, clubes, imobiliárias, padarias e shoppings. 57 anos de tradição.
 
Aulas presenciais têm retomada prevista a partir de 8 de setembro
 
Foto: Governo do Estado de São Paulo
Coletiva de imprensa concedida no Palácio dos Bandeirantes


As aulas presenciais nas redes pública e particular têm retomada prevista para 8 de setembro. Da mesma forma que os demais setores da economia, a Educação reinicia as atividades presenciais de forma gra­dual, segundo o anúncio feito pelo governador João Doria na coletiva de imprensa concedida na última quarta-feira no Palácio dos Bandeirantes.

“O Governo de São Paulo apresenta um plano consolidado, gradual, cuidadoso e seguro de volta às aulas. Todas as decisões serão compartilhadas com o Comitê de Saúde para garantir prevenção e segurança a alunos, professores e funcionários das redes pública e privada de ensino. Será uma volta gra­dual e responsável que tem como princípio fundamental garantir a saúde e a vida dos alunos e profissionais de Educação”, afirmou Doria.

Inicialmente, apenas 35% dos alunos voltam para a sala de aula, que numa segunda etapa passam a funcionar com 70% de sua capacidade e somente quando estiver estabelecido o “novo normal” com 100% de sua ocupação. Essas determinações são válidas tanto para o ensino infantil quanto fundamental, médio e superior e o decreto que regulamenta o setor deve ser seguido pelas redes pública e privada.

Entre as medidas adotadas está a distância de 1,5 m entre os alunos, assim como rigorosas orientações para limpeza das unidades escolares, proibição de bebedores de água coletivo, horários de recreio e entrada e saída escalonado entre as turmas e orientações para lavagem constante das mãos. O acesso às escolas por familiares também será restrito, sendo a maior parte das comunicações feitas via telefone ou on-line, assim como aferição da temperatura dos alunos.

Desde o início da quarentena no Estado de São Paulo, estima-se que cerca de 13 milhões de estudantes fazem aulas on­-line. As aulas presenciais no Estado só podem de fato ser retomadas quando todas as cidades estiverem na fase amarela do plano de flexibilização de São Paulo por 28 dias, a terceira menos restritiva das atividades.

“Vinte e oito dias de fase amarela estará indicando uma estabilização consolidada, esperamos que várias regiões já estejam nas etapas verde ou azul. Esse período é o que vai indicar uma situação de segurança. Nós teremos os meses de julho e agosto para fazer as avaliações a cada ciclo de 15 dias”, explicou o Coordenador do Centro de Contingência do coronavírus, Carlos Carvalho.

Essa medida tem o objetivo de não provocar uma regionalização das atividades da educação. “Não vamos fazer uma abertura regionalizada para ter problema com pessoas que vão do interior para a capital estudar ou vice-versa, faremos tudo junto”, afirmou o secretário do Estado da Educação, Rossieli Soares.

O Governo do Estado estima que o sistema educacional paulista envolva 12,3 milhões de alunos da educação infantil, básica, superior e profissionalizante, além de 1 milhão de professores e demais profissionais. As prefeituras são autônomas para regulamentar o plano de retomada a partir do dia 2 de julho.

Numa primeira etapa apenas 35% dos alunos voltam às salas de aula. Na segunda etapa, a previsão é que até 70% dos alunos poderão voltar às escolas. A meta será cumprida se ao menos 10 dos 17 Departamentos Regionais de Saúde do Estado permanecerem por 14 dias consecutivos na fase verde - quarta etapa com restrições mais brandas - do Plano São Paulo.

Para chegar à terceira etapa, na qual 100% dos alunos voltam para as instituições, será necessário que ao menos 13 dos 17 Departamentos Regionais de Saúde estejam por outros 14 dias na fase verde. Se uma região regredir para as fases mais restritivas - vermelha e laranja 1 e 2, consideradas de alerta máximo e controle - a reabertura das escolas será suspensa em todas as cidades daquela área.

A educação complementar, que abrange cursos livres e não é regulada pelo Estado, seguirá o faseamento regionalizado do Plano São Paulo. Dessa forma, o funcionamento de escolas de idiomas, música e atividades diversas já está autorizado nas regiões que atingirem os indicadores de saúde exigidos para classificação na fase amarela.Apresentação do plano de retomada das aulas presenciais: saopaulo.sp.gov.br/wp-content/uploads/2020/06/Apresentacao_plano-retorno-educacao.pdf.
 
Voltar

Veja a capa da edição:

Capa da Edição
Edição da semana

Para anunciar ligue:
2977-6544 / 2950-7919
Whatsapp  94861-1729




FAKE NEWS - FIQUE ATENTO!

 

Veja as duas últimas edições
Ed. 2914 Ed. 2915

É proibida a reprodução ou cópia de fotos, matérias, anúncios ou páginas sem a devida autorização.

   2002-2020 ©.