Atualizado semanalmente

Pesquisa

Pesquisa
Anuncie: 2977-6544. O mais eficiente veículo de divulgação. Distribuído e lido em 88 bairros da Zona Norte para um público de 500 mil leitores com circulação às sextas-feiras. Distribuição gratuita em bancas, prédios comerciais e residenciais, condomínios, clubes, imobiliárias, padarias e shoppings. 57 anos de tradição.
 
Doria anuncia canal de doações para ampliar
capacidade de produção do Instituto Butantã
 
Foto: Governo do Estado de São Paulo
Governador João Doria acompanha o início
da terceira de testes da Coronavac


Na última quarta-feira (22), o governador João Doria anunciou que o Instituto Butantan terá um canal de doações para arrecadar cerca de R$ 130 milhões. O objetivo é ampliar a capacidade de produção da Coro­navac, vacina contra o coronavírus em desenvolvimento em parceria com a empresa chinesa Sinovac Biotech.

“Hoje, iniciamos um programa de solicitação de doações ao Instituto Butantan para que ele possa arrecadar R$ 130 milhões e rapidamente investir em equipamentos, tecnologia, para ampliar sua capacidade de produção, que hoje já é de 120 milhões de unidades da Coronavac.”

A partir da ampliação, será possível a fabricação de 240 milhões de doses, podendo atender toda a população brasileira. Na última terça-feira (21), os primeiros 9 mil voluntários que participam da terceira fase de testes da vacina receberam a primeira dose. Dentro de duas semanas, esse grupo deve receber a segunda dose. Dependendo dos resultados dessa fase das pesquisas, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) pode obter a autorização para a sua utilização no Brasil. Caso outras vacinas estejam disponíveis, a Coronavac pode ser exportada para outros países da América Latina.

“Havendo uma segunda vacina,ou uma terceira, o que será bem-vindo, não há nenhum problema, o Butantan estará exportando a Coronavac para países vizinhos do continente latino-americano, para ajudar povos vizinhos e irmãos que fazem fronteira ou não com o Brasil.”

Em todo o mundo, há 166 vacinas em estudo para combater o novo coronavírus. Entre as cinco pesquisas mais avançadas, duas estão em realização de testes no Brasil: a Coronavac numa parceria entre o Instituto Butantã e a vacina de Oxford, denominada ChAdOx1 nCoV-19, produzida pela farmacêutica e biofarmacêutica britânica-sueca AstraZeneca no Reino Unido. As projeções mais otimistas, em ambos os casos, há a perspectiva de início de produção ainda neste ano dependendo do resultado dos testes, embora o primeiro semestre de 2021. 
 
Voltar

Veja a capa da edição:

Capa da Edição
Edição da semana

Para anunciar ligue:
2977-6544 / 2950-7919
Whatsapp  94861-1729




FAKE NEWS - FIQUE ATENTO!

 

Veja as duas últimas edições
Ed. 2917 Ed. 2918

É proibida a reprodução ou cópia de fotos, matérias, anúncios ou páginas sem a devida autorização.

   2002-2020 ©.