LIGUE 180



Atualizado semanalmente

Pesquisa

Pesquisa
Anuncie: 2977-6544. O mais eficiente veículo de divulgação. Distribuído e lido em diversos bairros da Zona Norte para um público de 500 mil leitores com circulação às sextas-feiras. Distribuição gratuita em bancas, prédios comerciais e residenciais, condomínios, clubes, imobiliárias, padarias e shoppings. 59 anos de tradição.
 
Serra da Cantareira: Moradores relatam acidentes constantes devido à
precariedade de vias e desrespeito à restrição de caminhões
 
Foto: cedida por moradores da região da Serra da Cantareira
Moradores registram diariamente a circulação irregular
de caminhões na Avenida Senador José Ermírio de
Moraes,
no caminho para a Serra da Cantareira


Morar na região da Serra da Cantareira em meio à natureza e como uma opção de vida mais sossegada, é o objetivo de muitas pessoas que optaram por essa localidade. Porém, a almejada tranquilidade também vem acompanhada de preocupação com relação aos riscos dos caminhos que levam à Serra da Cantareira. 

Quem segue pela Avenida Senador José Ermírio de Mo­raes, encontra na altura do número 2.000, uma curva bastante acentuada que ao longo dos anos, ganhou o apelido de “curva da morte”. A sinalização deficiente e muitas vezes a falta de conservação da pista tornam esse, um ponto de constantes acidentes.

Antes desse ponto, a sinalização indica que é proibida a circulação de caminhões. Pela sua própria topografia, extremamente íngreme, é natural que veículos de carga tenham restrições, pois uma vez que se perde o controle do veículo, ou mesmo um problema de freio, os acidentes costumam ser fatais.

Esse cenário é o que vem acontecendo repetidas vezes nos últimos anos. “ Os acidentes sempre aconteceram, mas antes ocorria em média um acidente a cada dois meses. Atualmente, quase todos os dias vemos um acidente por aqui”, relata a moradora Luciana Humel, que mora na região há pelo menos 27 anos.

Preocupados com a situação, Humel relata que muitos moradores acabam se unindo e fazendo uma espécie de “comboio” para acompanhar alguns caminhões, com o objetivo de evitar novos acidentes. Segundo  Luciana, várias solicitações já foram feitas junto à Companhia de Engenharia de Tráfego e nada mudou nas últimas décadas. Como se trata também de uma área de divisa entre São Paulo e Mairiporã, na maioria das vezes, essa região fica sem atendimento por parte dos órgãos do poder público dos dois municípios.

Entre as medidas que já foram pleiteadas pelos moradores, está a instalação de câmeras em pontos estratégicos, mais fiscalização e maior presença de viaturas da Polícia Militar na região.
 
 Voltar

Veja a capa da edição:

Capa da Edição

Edição da semana

Para anunciar ligue:
2977-6544 / 2950-7919
Whatsapp  94861-1729
 
Veja as duas últimas edições
Ed. 3010 Ed. 3011
 

É proibida a reprodução ou cópia de fotos, matérias, anúncios ou páginas sem a devida autorização.

   2002-2022 ©.