LIGUE 180



Atualizado semanalmente

Pesquisa

Pesquisa
Anuncie: 2977-6544. O mais eficiente veículo de divulgação. Distribuído e lido em diversos bairros da Zona Norte para um público de 500 mil leitores com circulação às sextas-feiras. Distribuição gratuita em bancas, prédios comerciais e residenciais, condomínios, clubes, imobiliárias, padarias e shoppings. 59 anos de tradição.
 
Pandemia da Covid-19 faz aumentar casos de bruxismo
 
Foto: Divulgação
Condição pode causar, de desgaste dentário a
dores de cabeça e deslocamento de mandíbula



Um estudo da Univer­si­dade Federal do Rio de Ja­neiro (UFRJ) feito com estudantes universitários sobre os impactos da pandemia no estresse, no sono e na saúde bucal revelou que 30% dos entrevistados se consideraram muito estressados com a chegada da Covid-19. O levantamento avaliou alterações causadas na pele, nos dentes, glândulas, ossos e músculos localizados na boca, pescoço, cabeça e face. O resultado apontou um aumento em casos de bruxismo, que consiste em um movimento involuntário caracterizado pelo ranger e/ou apertar dos dentes.

Segundo o cirurgião-den­tista do Sesc Anápolis, Gustavo Henrique Sousa Cos­ta, o bruxismo é uma con­dição que atinge cerca de 31% da população adulta e pode gerar danos irreversíveis aos dentes e algumas das consequências são:

•Desgaste dentário;

•Trincas em esmalte;

•Hipersensibilidade dentária;

•Fratura de restaurações ou até mesmo do próprio dente;

•Dores na musculatura da mastigação;

•Distúrbios na articulação temporomandibular - que pode gerar dores de cabeça ou até mesmo o deslocamento da mandíbula – entre outros.

“O tratamento”, explica Gustavo, “consiste no controle dos sintomas e muitas vezes é necessário uma mudança no estilo de vida para a melhora da doença. O cirurgião-dentista também pode julgar necessário o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar para auxiliar no tratamento.”

O profissional explica que, de acordo com a literatura, os tratamentos disponíveis para pacientes com bruxismo são variados e vão depender de cada situação. Alguns dos tratamentos disponíveis incluem ajuste na mordida, utilização de placas oclusais e aparelhos específicos, injeção intramuscular de toxina botulínica e medidas para controlar a ansiedade e o estresse. 

“É importante ressaltar que cada caso é único, por isso é muito importante procurar um cirurgião-dentista e se informar sobre a melhor terapia indicada para o seu caso”, explica Gustavo Henrique.

 
 Voltar

Veja a capa da edição:

Capa da Edição

Edição da semana

Para anunciar ligue:
2977-6544 / 2950-7919
Whatsapp  94861-1729
 
Veja as duas últimas edições
Ed. 3004 Ed. 3005
 

É proibida a reprodução ou cópia de fotos, matérias, anúncios ou páginas sem a devida autorização.

   2002-2022 ©.